terça-feira, 3 de setembro de 2019

Astrologia & Tarot - O Naipe de Espadas


O Ás de espadas,
do Thoth tarot.
O naipe de espadas representa no tarot as forças do intelecto humano, sua busca incessante pela verdade, bem como sua necessidade de aprender as coisas dentro de uma perspectiva racional, conceituar o funcionamento da vida a fim de compreendê-la. Assim como as projeções constantes sobre o futuro, e a tendência de classificar tudo racionalmente, como uma forma de perceber o mundo material e imaterial através de uma estrutura inteligível e clara para a razão humana, por assim dizer. Essas características correspondem, simbolicamente, ao ar na relação alquímica dos elementos, ao outono no ciclo das estações, e aos signos do elemento ar na roda astrológica. Os ases de cada naipe correspondem a duas estações, não necessariamente análogas aos elementos de seus naipes, mas a grandes ciclos de começo e fim. Veremos que neste naipe o Ás de espadas compreende um período de tempo entre o começo do inverno e os limites da primavera. Sempre é bom lembrar que essa correspondência leva em conta o ciclo das estações do Hemisfério norte do planeta, onde esse esquema foi concebido. A partir disso, das cartas de número 2 em diante, vai se formando correspondências astrológicas entre planetas e signos que melhor expressam as qualidades de cada arcano.
Cada signo ocupa um período de trinta dias no ano, e cada arcano corresponde a um período de dez dias dentro deste ciclo maior. Com exceção dos ases que correspondem ao período de duas estações. Essa roda anual foi proposta na antiga ordem inglesa Golden Dawn para melhor compreensão do simbolismo das cartas numeradas de cada naipe, mas que também serve como um mapeamento, através dos arcanos, de períodos do ano em que cada pessoa nasce e abre a perspectiva para as possíveis influências sobre a sua personalidade de cada nativo desse período do ano.

Falemos um pouco de cada signo antes de prosseguir:

Gêmeos – O signo do final da primavera, quando as flores se expandem em seu processo de procriação, os filhotes recém-nascidos exploram o mundo e todas as coisas interagem entre si, sendo este, portanto, o signo da comunicação, do desejo por aprender, bem como da inteligência.

Libra – Signo do começo do outono, estação que no Hemisfério Norte faz explodir as cores ocultas da vegetação que em seguida começa a cair. Daí Libra ser o signo da busca da verdade, bem como da beleza e da harmonia, pois esta é a estação da colheita, e da pesagem dos grãos.

Aquário – Signo do apogeu do inverno, quando as pessoas precisam ficar mais em casa com os seus, poupando energias, antevendo o amanhã. O gelo torna tudo estável, mas não dá para sair por aí. Por isso que Aquário é um signo tão coletivo, mas também tão impessoal no trato humano.

Ás de espadas – Outono – 22/12 à 20/03

A estação das folhas de cores intensas que anuncia o fim do calor, e a diminuição da luz, é também a estação das colheitas, de separar o joio do trigo e encarar racionalmente os resultados obtidos dos esforços empreendidos até então. Nessa estação também se realizava o pagamentos de impostos com a venda dos produtos cultivados, ou dando como forma de pagamento parte dos grãos colhidos. Tempo de se preparar para o inverno que se aproxima.
  
Dois de espadas – Lua em Libra – 23/9 à 02/10

A sensível e cambiante Lua encontra o titubeante signo de Libra, e embora ambos amem a harmonia e a paz, ambos também temem decidir equivocadamente sobre o próprio destino. O que piora se envolver o destino alheio. Por isso este é o arcano da busca da paz tanto quanto da indecisão, e da divisão interior. Conflita a porção racional da consciência com a afetiva, causando um cisma interno, um questionamento incessante e uma ânsia por rápida resolução.

Três de espadas – Saturno em Libra – 03/10 à 12/10

Saturno se exalta no signo de Libra, que busca verdade e justiça acima de tudo. Aqui, porém, Saturno fala de escolhas que não envolvem a subjetividade das emoções, já que tanto o planeta quanto o signo possuem uma abordagem racional da vida. Este arcano fala das coisas que temos de aceitar calados ou suportar por certo período de tempo. É o dever que sobrepõe o querer. É o ego dilacerado por ter de sacrificar o que quer pelo que é certo de se fazer no momento.

Quatro de espadas – Júpiter em Libra – 13/10 à 22/10

Júpiter expande todas as qualidades zodiacais que toca. Aqui ele amplifica a busca libriana por sossego, harmonia e reflexão por um lado, por outro aumenta a sua demora em tomar atitudes e decidir o melhor campo de ação numa contenda. Por isso este é um arcano que tanto pode denotar um tempo de introspecção e recuperação, quanto postergação, demora em agir e suspensão do ritmo natural do fluxo da vida. Como se o tempo tivesse parado e fim.

Cinco de espadas – Vênus em Aquário – 21/01 à 30/01

Vênus torna o signo de Aquário mais suscetível ao que ocorre ao seu redor, fazendo com que a natureza aquariana, sempre tão independente, comece a olhar para os lados e medir os resultados obtidos ao longo da sua jornada e compará-los com o que foi obtido pelos seus companheiros de jornada. Essa ferida no senso de singularidade de Aquário traz emoções escuras como inveja, derrota, e um sentimento de que produziu pouco com tudo que se fez.

Seis de espadas – Mercúrio em Aquário – 31/01 à 09/02

Mercúrio pode tanto libertar Aquário das convenções sociais e familiares que aprisionam, quanto torná-lo mais propenso a agir de acordo com o que essas mesmas convenções esperam que ele faça. O Seis de espadas, por esse motivo, é visto tanto como o arcano da ampliação da consciência, quanto o arcano das expectativas e responsabilidades sociais e familiares demasiadas que asfixiam as iniciativas pessoais de libertação e de experimentação aquarianas.

Sete de espadas – Lua em aquário – 10/02 à 19/02

A sensível e cambiante Lua também pode agir de modo dúbio no signo de Aquário, tornando-o tanto um cínico moral que faz o que tem vontade, independente das convenções sociais, quanto alguém muito preocupado em se encaixar nas tendências mais aceitáveis e convencionais. Como a pessoa mais bem sucedida, da moda, a mais legal... Mesmo que isso signifique criar uma máscara para o mundo e uma vida secreta, de prisioneiro, para si mesmo.

Oito de espadas – Júpiter em Gêmeos – 21/05 à 31/05

Júpiter, outra vez, expandirá as qualidades geminianas boas e más. E se por um lado aumentará a capacidade de ver uma situação por muitos ângulos diferentes, causará também uma crise de identidade profunda! Aumentando a cobrança interior por definições sobre quem se é de verdade, ou o que se quer de fato da vida ou de uma situação específica. O excesso de mente aqui causa um debate incessante a nível mental por uma solução e execução imediata!

Nove de espadas – Marte em Gêmeos – 01/06 à 10/06

O beligerante planeta Marte encontra o cerebral signo de Gêmeos, enfatizando a tendência a se ter pensamentos obscuros, raivosos ou tristes. Como aquele tipo de elucubração que se tem quando se enfrenta um problema, e que faz multiplicar os pensamentos e sentimentos negativos sobre uma situação que já é, por si só, muito negativa. Por este motivo este é o arcano do ápice do sofrimento, da tristeza, da dor, e portanto pode denotar as doenças físicas.

Dez de espadas – Sol em Gêmeos – 11/06 à 21/06

A consciência, o Sol, não consegue ficar muito focada no signo de Gêmeos, a dualidade e o confronto entre os opostos se multiplicam. O que pode ser bastante desalentador, e nada edificante em todos os sentidos. Entretanto, o poder solar no mutável signo de Gêmeos nos acena com a possibilidade de um inesperado e brilhante renascimento das cinzas! Por isso as opiniões se dividem entre ver este arcano como a ruína total, ou o renascimento da consciência.

Nenhum comentário:

Postar um comentário