terça-feira, 1 de agosto de 2017

Aviso aos Navegantes...


Eis dois textos que postei no Facebook nos dias 09/07/2017 e 10/07/2017, sobre a doutrina do "modo certo e errado" de ler o Tarot, que ainda persiste nas redes sociais pelo Brasil a fora...

I

Ninguém é "meio tarólogo" só porque prefere fazer leituras se utilizando apenas dos arcanos maiores...! Isso vem do processo intuitivo de cada um e, portanto, é profundo, pessoal e intransferível! Já vi tarólogos fazerem descrições profundas usando este método, enquanto outros experts na utilização de todas as lâminas não chegaram nem perto...
Atualmente utilizo os setenta e oito arcanos misturados nas sessões presenciais de Tarot, mas por muitos anos fiz leituras só com os maiores, porque era apaixonado por um certo baralho que tinha mesmo apenas os vinte e dois trunfos. E, nas consultas online, ainda prefiro proceder deste modo!
Claro que aconselho a quem assumir o papel de professor de Tarot, que tenha sim um bom conhecimento e prática na interpretação dos dois conjuntos (maiores e menores) na lida com a tarologia. Afinal, você não pode levar o outro, com segurança, onde você mesmo nunca esteve, não é verdade?
II

Em função das respostas, dúvidas e colocações sobre a postagem do dia anterior, achei pertinente citar três princípios que considero fundamentais para quem está estudando o Tarot:

1° Entenda que NÃO EXISTE o jeito certo ou errado de se ler Tarot. E tão pouco o melhor método de leitura. Portanto se seu professor o ensinou que o melhor método de disposição das cartas é o americano, que mistura os arcanos maiores e menores, ou pelo contrário, que o melhor mesmo é o método europeu que separa arcanos maiores e menores nas leituras, e que um bom tarólogo usa sempre todos os arcanos sobre a mesa... Ou pelo contrário, se ele diz que não existe isso de arcanos menores, que toda a verdade está apenas nos vinte e dois trunfos, entenda que isso NÃO É uma verdade absoluta sobre o Tarot! Trata-se da visão do seu professor, baseada nas experiências e vivências dele. Elas devem ser consideradas sim, mas não devem inibir você de fazer suas experiências, e testar todas as formas e métodos de leitura! Você tem o direito de formar sua própria visão de tarologia!

2° Da mesma forma saiba que NÃO HÁ o melhor sistema de disposição das cartas! Não importa se disseram a você que a Mandala Astrológica é o mais abrangente, ou de que a Cruz Celta é o mais preciso... As leituras de Tarot são formas de ampliação da consciência tanto para leitores quanto para consulentes. A forma de disposição das cartas é o caminho pelo qual essa experiência se dará, portanto não pode ser imposta por regras ou convenções, simplesmente porque não faz sentido! Todo o trabalho dentro do mundo dos símbolos é de cunho intuitivo, e como já disse antes, é, portanto pessoal, profundo e intransferível! Daí vem o terceiro conselho...

3° Aprenda TUDO sobre Tarot, teste tudo também! Uma coisa é você deixar de fazer porque é um ignorante sobre o tema, ou que se deixou levar pela experiência, ou mesmo pela ignorância ou visão estreita de um outro professor ou autor. Outra coisa é ser alguém que explorou todas as possibilidades e acabou escolhendo as que melhor se adaptavam à sua visão de vida, intelectual e espiritual. No futuro, se escolher se tornar um professor de tarologia, lembre-se de dar a mesma liberdade ao seu aluno, estimule-o a testar outros métodos e sistemas conjuntamente aos que você ensinou. Afinal, não se trata mais só de você, mas da trajetória de outra pessoa... Seu dever é dar sim uma formação consistente e completa, mas também o de estimular a pesquisa interior e intuitiva, tanto quanto a racional e objetiva.

sábado, 22 de julho de 2017

O Tratamento Reiki à Distância...

Como Funciona?

1) O tratamento Reiki à distância substitui um tratamento presencial?

De forma alguma. O tratamento presencial permite uma interação psíquica e energética muito maior entre o terapeuta e o cliente, por isso deve sempre haver, de preferência, uma troca direta de transmissão da energia Ki.

2) Como isso é possível?

A energia Ki permeia todo o Universo, e o nosso mundo com todos os seus habitantes. Somos todos compostos dessa energia que sustenta a vida em todas as suas manifestações. Assim, ao enviarmos a força Ki para uma pessoa, através da utilização dos símbolos Reiki de tratamento, estamos movimento essa energia. Frequentemente eu a comparo com o próprio ar, nós não o podemos ver, e só o sentimos em ventanias ou quando acionamos os meios criados pelo nosso engenho para essa tarefa, como circuladores de ar e condicionadores que o movimentam e temperam respectivamente. Acontece algo semelhante ao nos utilizarmos dos símbolos dos níveis II e III para efetuar tratamentos à distância com o Reiki!

3) Quando posso me utilizar de um tratamento à distância?

Geralmente quando a pessoa não pode vir até o consultório, ou em casos de emergência, ou ainda quando ela nem sabe que precisa de ajuda por estar passando por algum momento de muita dificuldade...

4) Mas nesse caso isso não seria uma intervenção no livre arbítrio de uma pessoa que não nos pediu ajuda?

Não! É importante salientar que ninguém "controla" a energia Ki Universal, nós a canalizamos e a enviamos às pessoas interessadas, ela é uma energia inteligente que atua conjuntamente com nossos canais superiores de consciência. Temos todos uma parte superior de nossa consciência, que é conhecida como "Eu Superior", esta parte do nosso ser está sempre atenta a tudo o que serve ou não ao nosso processo evolutivo. Ela não está submetida à nossa mente egoica inferior. Quando recebemos a sintonização em Reiki nível I, é bem comum que os Mestres nos digam que cada um recebe apenas a quantidade de Reiki que estiver aberto a receber. O que é verdade...! Uns absorvem 100% da energia Ki emitida, outros 50%, outros ainda 10%... Por que então seria diferente num tratamento à distância?

5) É correto se cobrar pelo tratamento à distância?

Ninguém cobra pelo trabalho em si, seja ele qual for! A maioria dos profissionais leva em conta o tempo que despendido para tal tarefa. Eu não cobrava até bem pouco tempo, mas isso mudou quando os pedidos de Reiki para outras pessoas começaram a aumentar consideravelmente, e isso começou a me tomar cada vez mais tempo... Como não me utilizo de técnicas como a do caderno, ou da caixa Reiki, onde o nome de várias pessoas são colocadas conjuntamente, e assim é enviado periodicamente Reiki a todas elas... Eu trato pessoa a pessoa, escrevendo seus nomes num pedaço de papel e deixando entre as minhas mãos por um tempo entre 10 a 15 minutos de cada vez, por quatro dias. Costumo perceber coisas no campo energético e sutil enquanto transmito a energia Ki, que eu anoto e em seguida envio com as datas das transmissões via e-mail, numa espécie de relatório breve das aplicações... Costumo cobrar o valor de uma única sessão por esses quatro dias de aplicação de Reiki. Contudo, cada um deve estipular seu próprio método de trabalho e sentir se deve ou não cobrar por isso.

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Sobre a Frequência Terapêutica


Eis uma questão muito frequente em consultórios de qualquer tipo de modalidade terapêutica, sejam elas holístico-vibracionais, ou convencionais. E essa semana me deparei muito com essa indagação: Qual a regularidade mínima recomendada para um tratamento? Minha resposta é: Pelo menos uma vez por semana! Algumas terapias recomendam até duas vezes por semana, principalmente as psicanalíticas! As terapias vibracionais não precisam de toda essa regularidade por se valerem de práticas e técnicas que atuam por um tempo maior nas pessoas. O reiki, por exemplo, tem seus símbolos que funcionam como tatuagens energéticas que ficam vibrando no corpo físico e nos corpos sutis de quem o recebe por mais alguns dias após a aplicação. O bem estar que a renovação da energia ki proporciona se faz sentir ainda ao longo da semana. Com a terapia floral é a mesma coisa, as questões levantadas nas sessões de terapia, e tratadas com os florais adequados, vão desabrochando, por assim dizer, nos dias que se seguem. Outras questões, entretanto, surgem e por esse motivo encontros com regularidade mais curta, tipo semanal, se fazem necessários! A tese das sessões semanais pode ser dividida em duas partes:
1º) Encontros quinzenais ou mensais (que me parecem ser impensáveis para se obter resultados satisfatórios) são longos e acumulam muito “material” a ser trabalhado. Vivências passadas que podem refletir questões levantadas na sessão, e o resultado das técnicas terapêuticas empregadas, podem ser esquecidas, passar despercebidos, ou serem “filtrados” pelo cliente enquanto se encaminha para sua consulta e vai selecionando no caminho o que é mais importante de tratar com seu terapeuta! Muitas vezes o que o cliente não toma como relevante vai se mostrar com muito sentido lá adiante, mas quando não é comunicado ficará sem sentido e fora do contexto para a avaliação do terapeuta... Como conectar e tratar o que não foi dito?
Leituras de tarot, ampliação da consciência através
das chaves simbólico/arquetípicas da alma...
2º) Um processo terapêutico pode durar de alguns meses a alguns anos, dependendo das questões levantadas e das intenções apontadas pelo próprio cliente. Então imagine que num processo de tratamento regular a terapia fosse durar um ano, se a frequência diminuísse para quinzenal esse tempo poderia ser facilmente dobrado, e se for desmembrado para um encontro mensal então... É evidente que estou falando de uma probabilidade média, e que muitas vezes a compreensão do cliente dá saltos quânticos, e vários meses podem ser sintetizados em algumas semanas. Isso, porém, depende de uma série de variáveis tanto de quem se trata quanto de quem trata. Da parte do cliente depende do seu nível de autoconhecimento e da sua busca interna antes de chegar àquele momento, do quanto suas questões vem sendo ignoradas antes do tratamento, bem como da profundidade da sua influência. Da mesma forma, por parte do terapeuta, depende do seu feeling, ou seja de sua capacidade de percepção do cliente, ou mesmo se ele se utiliza de algo mais profundo e impessoal que suas percepções, como ferramentas do inconsciente, para captar as coisas não ditas nas sessões. Coisas como o tarot, a astrologia, a numerologia, o eneagrama, etc... E é claro, se ele tem conhecimento aprofundado na aplicação dessas linguagens do inconsciente. Afinal uma coisa é achar que sabe o que se pratica, outra é realmente saber...!


Por fim, a pergunta que ronda a cabeça das pessoas que leem ou ouvem narrativas assim é: Por que alguém quer interromper o tratamento de algo que o incomoda, e geralmente há vários anos? Também os motivos são variados! E vão desde o apego inconsciente ao mal conhecido, que mesmo sendo perturbador é algo comum e que se sabe como lidar, até o medo puro e simples de não dar conta da mudança, do que os outros vão pensar, de se desapontar com os resultados... Enfim, uma miríade de possibilidades!
É evidente que há casos em que não resta outra solução a não ser diminuir a periodicidade dos encontros quando, por exemplo, o cliente mora noutra cidade, e não se sente confortável com sessões online. Ou tem dificuldades físicas que o impedem de se dirigir até o encontro de terapeuta... Muitos alegam ainda que a terapia está ficando dispendiosa (o ego adora essa), a falta de dinheiro mexe com a necessidade egoica de autopreservação. Nesse caso sugiro uma mudança de perspectiva, o autoconhecimento é um investimento onde não se perde nada, e se tem a possibilidade de lucrar de inúmeras formas! Por ouro lado é algo que não se consegue fazer sozinho, ao mesmo tempo em que é um caminho que ninguém pode trilhar por você! 

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Baralho Lenormand NÃO É Tarot Cigano!


O que tem de gente que vem me contar que marcou consulta com a taróloga fulana de tal, e ao chegar lá o que a mulher abriu foram as "cartas ciganas", e que a pessoa se constrangeu em dizer que não queria aquele atendimento, e que conhecia bem o que era tarot...! Que fiasco! Esse vício vem lá dos anos 90 quando a Kátia Bastos lança uma versão própria do baralho Lenormand, chamando a esse baralho de Tarot Cigano... Perpetrando assim um longo e incrível equívoco que ainda perdura, e que muitas vezes mais parece a má fé de certos profissionais. Nessa época a cartomancia andava meio em baixa, então os livreiros resolveram chamar todo baralho oracular de tarot, pois a tarologia era uma verdadeira febre! O Lenormand nem ao menos é cigano! É uma versão francesa que foi criada, levando o nome de Madame Lenormand, a partir de um baralho alemão anterior (o Jogo da Esperança, de Johann Kaspar Hechtel)... No mundo todo é conhecido como cartomancia Lenormand ou cartomancia francesa... No Brasil ficou conhecido como cartas ciganas. Ciganos são exímios em fazer leituras e prognósticos, mas não criaram um baralho seu. Foram sim os primeiros usar o tarot de modo divinatório, até onde se sabe, mas o único sistema oracular legitimamente cigano é a quiromancia, ou a leitura das linhas das mãos. Quem lê essas cartas é um cartomante, e não um tarólogo! O tarólogo é sim um cartomante também, mas que se utiliza de um baralho específico com mais desdobramentos arquetípicos, que é o tarot!
E como já disse na página "A História do Tarot" aqui do meu blog: O tarot é um conjunto de 78 cartas divididas entre 22 arcanos (segredos ou mistérios) maiores e 56 arcanos menores. Esses últimos têm ainda uma subdivisão de 16 cartas com figuras humanas de reis, rainhas, cavaleiros e valetes (A corte) e 40 cartas numeradas de 1 a 10 divididas em quatro naipes, como no baralho comum, paus, copas, espadas e ouros. Se um baralho tiver mais ou menos cartas, ou faltar qualquer uma das estruturas citadas, não é nem melhor, nem pior, apenas NÃO É TAROT! Não é um descendente do baralho medieval original, o que também não significa que não funcione nem seja bom!

Saiba mais sobre as origens do Baralho Lenormand 

terça-feira, 6 de junho de 2017

Tarot & Florais - Uma Combinação Alquímica


Ace of Cups, do
Salvador Dali tarot.
Desde que comecei a atuar com o tarot, senti que faltava algo que auxiliasse a digerir, e posteriormente tratar, as revelações feitas pelos arcanos. Foi assim que em 1994 conheci a terapia floral. E até hoje não consigo imaginar combinação terapêutica melhor para uma leitura de tarot. Comecei a identificar na assinatura das flores características dos arcanos em determinadas situações. Não do modo como já vi em alguns livros, que dizem que para arcano tal indica-se floral tal... Simplesmente porque isso é muito variável! Os arquétipos são plásticos. O arcano de A Torre, por exemplo, pode tanto simbolizar uma experiência desestruturadora, como um empuxo para se livrar de sistemas opressores. Por isso a esse mesmo arcano podemos tanto associar Waratah, do sistema Bush (australiano), que nos dá forças para suportar crises devastadoras, quanto Cayenne do sistema FES (californiano), para mover a consciência da estagnação e da inércia evolutiva. Por isso entendo que não é um arcano que define uma essência floral, mas sim a situação indicada pelos arcanos conjuntamente numa leitura.
Com o tempo o processo de sintonizar florais à arcanos ficou tão introjetado que tenho dificuldade em explicar de modo metódico como o faço. Da mesma forma que ficou muito complicado indicar florais sem a leitura dos arcanos... Minha experiência tem demonstrado que quando interagem ativamente o processo é mais preciso. Certa vez uma mulher me procurou, havia sido indicada para fazer terapia... Como não citou a leitura de tarot me preparei para a anamnese usual da terapia com as flores. Perguntei o que a trazia a até mim, e ela se queixou de falta de foco nos estudos e da necessidade de concluir seu curso de direito. Como ficou só nisso perguntei sobre a vida familiar e afetiva, ao que ela respondeu que tinha uma família complicada com irmãos que haviam se dispersado, e uma mãe pouco afetuosa, mas que ela não ligava mais para isso apesar de ainda morar com a mãe. Sobre o amor disse que tinha terminado um relacionamento a pouco, e que não estava mais focada nisso, e na verdade até um pouco desacreditada dos afetos, e reforçou que precisava mesmo era tocar logo a carreira para seguir o seu caminho... Ou seja, tinha muito trabalho pela frente até ela se dar em conta que ia ser difícil de focar em algo com toda essa negação de sentimentos mal resolvidos e afetividade frustrada. 
Two of Vessels (copas) do
Alchemical tarot,
de Robert M. Place.
Pedi a ela um tempo para avaliar os florais, e disse que os mandaria por e-mail, pois aquele não era o meu procedimento usual para a terapia com florais... Ao que ela indagou quase que imediatamente: “Ah, não? E qual é seu método?”, falei que eu me utilizava da leitura do tarot. Prontamente ela complementou: “Então eu quero!”. Marcamos para o início da semana seguinte. Quando abri as cartas, o tarot mostrou de pronto que ela ainda sonhava com um novo relacionamento que a fizesse novamente acreditar e apostar no amor, como também sonhava com a reintegração da sua família, coisa aliás que não lhe saía da cabeça! Fiquei cheio de dedos para dizer que o que os arcanos me mostravam era o oposto do que ela havia me dito na nossa primeira sessão. Quando enfim falei, outra surpresa! Ela sorriu com um canto da boca e disse com um claro ar de admiração: “Como isso mostra mesmo as coisas, né?”. A negação havia cessado, os símbolos do inconsciente vieram à tona e mostraram o seu paradoxo, e então ela parou de relutar e, é claro, mudamos completamente o seu receituário floral... Ela não mentia para mim, mas para si mesma, e a intervenção dos símbolos arquetípicos desarmou isso! Sem o tarot essa fantasia autossugestionada demoraria meses para ser esclarecida!
Essa foi uma das muitas provas que tive de que eu devo mesmo é continuar sendo esse terapeuta-tarólogo, ou um tarólogo-terapeuta-floral, para alquimizar a pedra bruta que habita a alma humana... 

terça-feira, 16 de maio de 2017

Repetindo... O Tarot é um Espelho!


Já disse inúmeras vezes, mas se faz necessário repetir e repetir... O tarot é um maravilhoso instrumento de divinação, revelação de pronósticos, aconselhamento, orientação, e reflexão sobre o presente, como também sobre o passado, o futuro e sobre nós mesmos e nossas atitudes... Porém, não substitui a necessidade de se viver a própria vida e assumir para si a responsabilidade da própria existência! O que tem de pessoas que me escrevem dizendo que consultaram este e aquele tarólogo, e que as respostas mudavam, e que por isso concluíram de que o tarot estava confuso... Oi? Quer dizer então que uma pessoa não se contenta nunca com uma resposta, vai num profissional e ouve uma narrativa, mas mesmo sendo positivo o que ouviu, sente necessidade de  confirmação, e então vai noutro. A narrativa muda um pouco, o tarot é afinal um instrumento de revelação de um determinado momento da vida de quem retira as cartas, e um momento muda porque atuamos sobre ele, consciente ou inconscientemente. Sem falar na competência de cada intérprete, e na afinidade com a linguagem que ele desenvolve, o que são variáveis que sempre devem ser levadas em conta. A referida pessoa acha então que se algo mudou a revelação que ela ouviu não é consistente, e sai à procura de outro, e outro, e no fim conclui de que o tarot é que está confuso? Mas ela, é claro, não está nada confusa! Se o tarot é um espelho, de onde virá a confusão detectada, do reflexo ou do espelho? Usando outro exemplo, se você se vê gorda no espelho, o espelho é que a engordou?
Enquanto houver pessoas que insistam de que o que os oráculos revelam é algo fora delas, será impossível para essas pessoas extrair do trabalho de orientação com os sistemas simbólicos como o tarot, a astrologia, a numerologia, o I Ching, etc o seu melhor, e de crescer e de se desenvolver com isso...

terça-feira, 9 de maio de 2017

Mario Quintana e o Oculto...


Quintana e o Tarot... 

Pois é...! Achei este poema no livro "Aprendiz de Feiticeiro" de 1950, e me espantou o quanto os versos nos fazem lembrar do arcano Prince of Disks, do Thoth tarot de Aleister Crowley. No poema Mario fala em Rei de Ouros, e Crowley por questões cabalísticas renomeou o Reis do tarot para Príncipes... Com certeza isso não foi consciente por parte do poeta, pois que o poema é, como já disse, de 1950 e a primeira edição completa do Thoth tarot só aconteceu em 1962, e ainda assim em edição limitada. A sincronicidade e a força dos arquétipos se fez presente mesmo nesse encontro. O poema fala de poder e do ápice de uma situação. Justo o significado deste arcano que denota poder material, riqueza e realização. "Coincidentemente" o Rei de Ouros do tarot tem correspondência astrológica com o segundo signo do zodíaco, Touro... Leiam os versos e comparem com a imagem deste arcano... Por ser também uma das ferramentas do inconsciente a arte pode dar saltos surpreendentes...



PINO

Doze touros 
Arrastam a pedra terrível.

Doze touros
Os músculos vibram
Como cordas.

Nenhuma rosa
Nos cornos sonoros.
Nenhuma.

Nas torres que ficam acima das nuvens
Exausto de azul
Boceja o Rei de Ouros.

Do livro: Mario Quintana - Aprendiz de Feiticeiro,
seguido de Espelho Mágico.
Editora Objetiva. Rio de Janeiro, 2012.

Quintana e a Astrologia... 

Quem diria hein? Mas muitos de seus poemas falam em alquimia, magia, e em um de seus versos ele cita a palavra "quincúncio", que é um aspecto referente a um ângulo de 150º  entre dois planetas na mandala do mapa astral... E o presente soneto é uma prova escrachada de que o poeta tinha pendores,  ou pelo menos curiosidades astrológicas...

ASTROLOGIA

A minha estrela não é a de Belém:
A que, parada, aguarda o peregrino.
Sem importar-se com qualquer destino
A minha estrela vai seguindo além...

- Meu Deus, o que é que esse menino tem? -
Já suspeitavam desde eu pequenino.
O que eu tenho? É uma estrela em desatino...
E nos desentendemos muito bem!

E quando tudo parecia a esmo 
E nesses descaminhos me perdia
Encontrei muitas vezes a mim mesmo...

Eu temo é uma traição do instinto
Que me liberte, por acaso, um dia
Deste velho e encantado labirinto.

Do livro: Baú de Espantos;
Quintana de Bolso. L&PM Pocket.
Porto Alegre, 2010.
Seleção de Sergio Faraco.