terça-feira, 19 de março de 2013

O Papa e o 13


No domingo, dia 17/03/2013, no quadro “Detetive Virtual” a apresentadora Renata Ceribelli atentou para as coincidências entre as várias aparições do 13 na eleição do novo Papa. O Papa Francisco foi eleito no dia 13/03/2013, data que ao ser somada resulta em 13. Veja: 1+3+0+3+2+0+1+3 = 13. A apresentadora assinala ainda que as palavras Papa argentino e Papa Francisco tem treze letras. Essas duas últimas informações para fins de estudo numerológico ou simbólico não tem validade nenhuma! O pior foi ter dito que muitas previsões apocalípticas estavam sendo feitas por que para muitas pessoas o 13 é um número de azar! Essa, aliás, é uma crendice medieval que cruzou os tempos por puro desconhecimento da maioria das pessoas sobre o simbolismo real deste número. A disseminação de mais crendices não ajuda em nada na compreensão dos aspectos simbólicos ocultado por eles! Depois de fazer essas alegações a jornalista concluiu parafraseando o colega Tadeu Schmidt: “Sabe o que Isto que dizer?... Nada!...”. E é claro que nós podemos confiar na opinião deles, afinal são peritos na profunda, complexa e erudita atividade intelectual de apresentar um programa chamado FANTÁSTICO!
Aracno XIII, A Morte. Arauto das
transformações profundas.
Thoth tarot
.
Agora falando sério, vamos olhar um pouco mais fundo e ver o quanto de sincronicidade há no encontro desses eventos e o simbolismo do número 13. Sincronicidade, para quem não sabe, é a teoria criada por Carl Gustav Jung de que um acaso repleto de coincidências que possuam um significado, não e mais uma acaso, mas uma expressão da alma. Deepak Chopra costuma dizer que “a sincronicidade é o modo pelo qual Deus atua”, e parece que ele está certo! O 13 foi maldito pela própria crença católica que tratou de demonizar todas as tradições pré-cristãs, denominadas por eles como pagãs. O termo pagão é da antiga Roma e define apenas o homem do campo. As assim chamadas tradições pagãs eram praticadas por camponeses na sua íntima ligação com a natureza e seus ciclos e eventos. O calendário das antigas tradições espirituais do povo europeu antes do advento da cristianização era lunar, ou seja, com um ano de treze luas, ou meses de 28 dias cada um. A essência maléfica, por assim dizer, deste número foi fortalecido pela narrativa bíblica de que Jesus Cristo mais os apóstolos formavam treze membros. Jesus, que seria o décimo terceiro membro, foi morto. Assim o 13 passa a ser associado à morte e ao azar.
Com o passar dos séculos surge na Europa o primeiro baralho de tarot e ele traz em seu conjunto de cartas um símbolo, o décimo terceiro, que mostra a figura da morte. Na verdade um ceifador que ora aparece como um esqueleto segurando uma foice, ora como uma espécie de zumbi em decomposição ostentando o instrumento agrícola que acabou assumindo contornos nefastos. Esta carta não tem nome, pois mais uma crença se espalhara pelo continente durante a Idade Média, a de que ao se dizer o nome da morte, ela virá ao encontro de quem a chamou. Apesar de não ter título todos sabem que é A Morte, o arcano de número 13 do tarot! Isso estimulou os que ainda professam essa superstição de que o Papa Francisco será o último Papa. O mais engraçado mesmo é que a reportagem do Fantástico vai consultar um padre que afirma que nenhum católico de bom senso deverá acreditar numa coisas dessas!... Não é engraçado? A própria Igreja espalha uma crendice pelos séculos e depois diz que não é sensato acreditar nela!... E não é mesmo, mas as incoerências das religiões institucionalizadas é que são de matar!


Bem, com o tempo e o nível de compreensão da humanidade se alargando, aprendemos que a própria experiência da morte é simbólica! Morremos muitas vezes ao longo da vida e de nossas experiências. Sim podemos morrer fisicamente, isso ocorrerá com todos nós um dia, mas também morremos um pouco quando perdemos um grande amor, ou encerramos de modo definitivo a participação num evento ou empreendimento que nos foi muito caro. Ou ainda quando um filho sai de casa, essa é uma perda necessária para a evolução tanto dele quanto nossa. Para que ambos continuem a vida. Assim a morte tem também um simbolismo de renovação e de transformação, no sentido de transcender a antiga forma conhecida.
Agora voltemos ao Papa, ele é eleito num momento em que a Igreja precisa diminuir suas muitas incongruências sociais, como a de defender a castidade, mas acobertar o nome de padres pedófilos. Ele assumiu para seu pontificado o nome de Francisco, um dos mais inspirados e inspiradores santos do catolicismo que começou seu sacerdócio por causa de uma revelação divina que dizia que ele era o escolhido para reformar a igreja, trazendo-a novamente para as pessoas de vida e alma simples. E essa com certeza era a intenção da cúria romana ao eleger como Papa um cardeal de um país com um grande número de católicos e em desenvolvimento! As muitas sincronicidades com o simbolismo do número 13 revelam, isto sim, uma expressão do inconsciente coletivo tanto dos fiéis quanto da Igreja romana por reformas. Ou seja, na verdade é um símbolo muito positivo para os católicos do mundo todo! Como quando puxamos a carta de A Morte para um processo de mudanças no trabalho. É um aviso do tipo: “Profundas transformações vem aí!”. E é exatamente isso que todos querem, não é? 
A possibilidade de
nascimento do novo.
Arcano XIII, The Old Path tarot.
Na numerologia o 13 é também um número kármico associado ao trabalho duro e disciplinado, características essas que já faziam parte do trabalho ecumênico do cardeal Jorge Mario Bergoglio. O arcano de A Morte representa também tanto os processos cirúrgicos, como forma de transformação de uma realidade física (seu aspecto positivo), quanto de debilidade do corpo, ou doença (seu aspecto negativo)... Bergoglio teve parte do pulmão retirado numa cirurgia durante a juventude, mas o quanto isso debilitará sua atuação, só o tempo será capaz de revelar.
Sempre haverá aqueles que disseminam as superstições e o medo ao invés do esclarecimento, e sempre haverá aqueles que ao combatê-los aniquilam toda a possibilidade de compreensão de sua linguagem simbólica intrínseca. Para essas pessoas coincidência é o outro nome da própria ignorância e estreitamento de visão. O trabalho a ser feito é o de compreensão do significado dos símbolos e sinais, expandindo a si mesmo e sua percepção da vida.

Veja a matéria da Globo: Detetive Virtual


segunda-feira, 4 de março de 2013

O Mundo - Arcano XXI


Título Esotérico – A Grande Unidade da Noite do Tempo (A grande comunhão cósmica entre todos os aspectos da vida como a origem e o fim de jornada existencial).

Analogia Astrológica – Saturno (Regente de Capricórnio) - O Senhor do tempo e dos ciclos de desenvolvimento e maturação. A consciência do limite necessária para a construção ou realização de algo. Traz em si a ideia de completude, o movimento rumo à realização máxima no nível pessoal ou criativo. Resistência, disciplina. O grande construtor.

Analogia Numerológica – A dualidade, cheia de conflitos (2) encontra a unidade suprema (1) e é serenada. Ou a percepção profunda da vida (2) torna-se plena, constante e focada (1). Tanto o fim da dualidade dilacerante quanto a ampliação da percepção espiritual da vida resultam numa profusão de novos ciclos e realizações (3, da soma 2+1=3).

O Arcano – Uma dançarina segurando o que parece ser duas baquetas dança dentro de uma mandala de folhas que possuem três cores, amarelo-dourado, vermelho e azul. Do lado de fora do grande círculo há quatro animais ou seres mágicos: um anjo, uma águia, um leão e um touro. Apesar de ter seios a figura não parece muito feminina, o que fez com que alguns autores se referissem a ela como um ser andrógino representando a humanidade dentro do mundo. A dança da figura central parece estar levando-a para fora do círculo como no fim de um ato. Uma visão mais simplista destes símbolos, baseada apenas nos números representados pelos componentes, mostra bem a estrutura do mundo. As quatro figuras são os quatro elementos que regem a vida no planeta, as três cores da mandala são as três faces do tempo, passado, presente e futuro que regulam a vida. A figura andrógina é a unidade do homem que, no entanto, carrega em si uma natureza intrinsecamente dual, com macho e fêmea, tanto quanto trina, corpo, mente e espírito representada aqui por seu corpo mais as duas baquetas laterais que ela segura.

Significado – Mais uma vez há incríveis semelhanças com a Árvore da Vida cabalística. As baquetas que a personagem central segura lembram os pilares feminino (rigor) e masculino (misericórdia) da Árvore, e o seu corpo seria o próprio pilar central da devoção e da iluminação. Indicando que as dualidades e conflitos se encerram e que algo chega a sua conclusão perfeita. A guirlanda de folhas tem as três cores dos três elementos que segundo os cabalistas criaram toda a vida: amarelo (ar), vermelho (fogo) e azul (a água). Cores que correspondem respectivamente a suas três letras mais antigas ou sons primordiais, chamadas de maternais, Aleph, Shin e Mem. Os quatro animais são os representantes das quatro qualidades zodiacais que se bem conduzidas levam ao êxito! Anjo/Aquário, inteligência. Águia/Escorpião, profundidade. Leão, coragem e Touro vontade firme. Eles também sinalizam as quatro virtudes mágicas requeridas a um iniciado para a realização precisa de um ato mágico: Saber, o Anjo. Querer, o Touro. Ousar, o Leão e por fim a Águia, o Calar.

O Mundo no Osho Zen tarot.
Divinação – Conclusão, perfeição, consagração! Fim de um ciclo e o começo de outro, como quando alguém se aposenta e vira instrutor de voo, como um antigo sonho que se realiza; ou um estudante que após muitos anos de estudo e graduações complementares começa a trabalhar. Um trabalho ou obra que se realiza com louvor. Pode indicar o fim maduro e tranquilo de um relacionamento, ou um encontro amoroso que traz uma sensação maravilhosa de complementaridade. Representa também o encontro do “seu lugar” no mundo, tanto no sentido de localidade quanto de comunidade! Uma carreira que se conclui de modo excelente, mas que sugere que novos objetivos, ou realizações ainda maiores, podem ou devem ser realizados. Transcender um aspecto de si mesmo, da vida ou da espiritualidade. Pode ser a própria transcendência espiritual, que em sua totalidade ocorre só com alguns poucos iluminados. Para a maioria das pessoas é a superação de algum aspecto kármico ou desafiador de si mesmo... Note que a posição das pernas da Dançarina do Mundo é a mesma do personagem de O Enforcado, indicando que um sofrimento perturbador, ou um importante ciclo de amadurecimento interior chega ao seu fim! Por ser o arcano do ápice e das experiências que vão além do comum, indica também viagens longas, para além dos limites das fronteiras, como estados mais distantes, ou para o estrangeiro.

Personagem do CinemaHarry Potter. Baseado na obra literária de sete volumes de J.K Rowling, é a saga de um menino bruxo da infância à vida adulta, interpretado por Daniel Redcliffe, que vive num mundo onde as pessoas não têm poderes mágicos e onde ele é tratado como uma aberração. Descobre por fim que é filho de dois bruxos que foram mortos pelo Lord das Trevas Voldemort. É levado à escola de Hogwarts onde finalmente se sente fazendo parte de uma comunidade e de alguma coisa com sentido para si, e na sua amizade com os Weasley conhece o amor fraterno e familiar. Nessa escola ele começa a desvendar o quebra-cabeça de sua própria vida e entende que tem de confrontar o Lord das Trevas. Ele o faz e o vence de modo espetacular após inúmeras e terríveis agruras.

sexta-feira, 1 de março de 2013

O Louco - Arcano Zero


Título esotérico: O Espírito do Éter (O que não pode ser contido ou apreendido).

Analogia Astrológica - Urano (Regente de Aquário) – O senhor da renovação da vida, da rebeldia e das revoluções. O visionário, experimentalista, inovador, inspirado, ousado, excêntrico, cheio de rompantes radicais. Aquele que por não se encaixar na estrutura vigente da sociedade a questiona de modo muitas vezes inconveniente. O diferente, pária social, o desajustado.

Analogia Numerológica – O Zero, o vazio que simboliza todas as possibilidades. Reflete da nulidade da ignorância ao vazio de uma consciência livre dos pensamentos (A mente inferior), serena, desperta e focada. Para efeitos de cálculo este arcano é representado pelo número 22, o visionário de realidades muito maiores das que foram até então vivenciadas.

O Arcano – Um bufão anda desorientado por um caminho cujo trajeto não é totalmente reconhecível ao expectador, e talvez nem ao próprio Louco. Sua jornada é a partida do iniciado em busca de algo superior, talvez a verdade! Carrega com ele uma pequena trouxa que transporta de modo displicente e um cajado de viajante. Sua cabeça ergue-se quase que totalmente aos céus. Atrás de si um cão o persegue e rasga sua calça, ao que ele parece não notar ou não se importar.

O Significado – A ânsia por liberdade, aventuras e novas descobertas, o movimento impulsivo para frente, seguir o ímpeto interno de avançar, quer seja numa ideia, num relacionamento, tendência, filosofia, projeto ou movimento natural da vida que lhe pareça irresistível. Daí sua cabeça virada para o alto com o gorro amarelo, sabe-se que esta é a cor da intuição superior e também da criatividade. Muitos pintores famosos tiveram sua fase “amarela”, como Picasso, Van Gogh e Monet. Sua pequena trouxa representa o seu pouco apego às experiências do passado. O que o bom senso ou os outros disseram, o que os livros postulam, pouco importa! A descoberta por si mesmo é a grande meta. As regras sociais, representadas aqui pelo cão, uns dos primeiros animais domesticados pelo homem, não o inibem. O bufão é um símbolo da irreverência e da ousadia. Na Idade Média era costume coroar o bobo da corte como rei por um dia, e nesse dia ele mostrava, através de anedotas e paródias, as falhas do rei e os problemas do reino de modo que nenhum membro da corte se atreveria!

O Louco no Osho Zen Tarot.
Divinação – O movimento radical em direção ao inusitado (Que pode ser uma busca espiritual, um emprego novo, um relacionamento incerto, ou uma carreira que antes era impensável!). A visão ou percepção do valor intrínseco de algo antes de sua assimilação pelo senso comum. A capacidade de desapegar-se de pessoas ou situações aparentemente seguras ou estáveis. O andarilho sem regras ou rotinas. O espírito jovial, ou representa de fato um jovem ou criança na leitura! Coragem pueril, ousadia, irreverência. Um espírito brincalhão que não leva a si mesmo, e seus talentos, muito a sério! Uma vida sem planejamentos ou regras. O tipo esquisito aos olhos do mundo! Aquele que parece estar em outra “frequência” o tempo todo e vive, sem constrangimentos, sua natureza e necessidades. Aquele que passou por todas as coisas da vida e se libertou! O Louco Divino, como foram chamados alguns luminares da humanidade, como Francisco de Assis e Buda. Pelo aspecto negativo pode também ser o arcano dos que não querem crescer, daqueles que fogem dos vínculos por incompetência em mantê-los, ou temor à intimidade. Alguém que por temer a mediocridade se refugiou na imagem da pessoa diferente e livre, mas que desconhece seu real valor e propósito de vida. O desorientado, o vagabundo, irresponsável, inconsequente, imoral, antiético, sem palavra ou honra.

Personagem do Cinema – Maude, do filme Ensina-me a Viver (Harold and Maude, título em inglês) de 1971 interpretado por Ruth Gordon (1896-1985). A personagem é uma irreverente senhora de 79 anos que ensina a Harold um jovem de 20, obcecado pela morte, o valor da vida. O relacionamento deles é, além de lindo, excêntrico e por isso mesmo polêmico. Todos os atributos de O Louco.