sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Desvendando a Mandala Astrológica


Um dos sistemas mais populares nas leituras de tarot, a Mandala Astrológica é um método que serve tanto para uma leitura geral do momento presente, quanto para uma avaliação de prognósticos sobre o futuro. Sua imensa flexibilidade e abrangência permite com que se possa abarcar uma gama muito grande de temas de uma só vez, e relacioná-los entre si! Há mais de uma década eu deixei de utilizá-la como método de abertura para uma visão panorâmica da vida dos clientes justamente por causa dessa abrangência. Depois de abrir muitas frentes e avaliar muitas coisas, eu ouvia sempre no fim de cada sessão: “Tudo o que você falou está certo, mas eu vim saber apenas disso...” Apontando para uma das casas que eu havia interpretado! Por isso adotei com o tempo a leitura da Cruz Celta, um sistema que revela mais objetivamente a situação ou vivência (ou conjunto de situações ou vivências) que motivam a consulta e que são perfeitamente reconhecíveis ao cliente. Hoje eu utilizo a Mandala Astrológica como um método de avaliação dos prognósticos para um ciclo de desenvolvimento de um ano, seja a virada do ano universal, ou o aniversário de uma pessoa. Meu propósito com este artigo é o de apresentar todas as possibilidades de exploração desse rico sistema de leitura que pode ser lançado de duas maneiras: Como uma Mandala simples de treze cartas, que pode ser constituída de arcanos menores e maiores misturados, ou apenas de arcanos maiores. As mandalas simples servem bem para leituras gerais do momento presente. A outra forma de se utilizar dessa sequência de leitura é combinando as cartas dos arcanos maiores e menores em pares, numa Mandala dupla.  Nesse caso os arcanos maiores e menores são divididos em dois maços e embaralhados separadamente. Retiram-se treze cartas do maço dos arcanos maiores para compor a primeira Mandala. Depois mais treze dos arcanos menores que formará uma segunda Mandala sobre a que já foi colocada na mesa, criando uma Mandala dupla com duas cartas em cada posição. Esta forma serve melhor ao lançamento de prognósticos! Na interpretação os arcanos maiores representam os acontecimentos, e os arcanos menores como esses acontecimentos se desenrolam, as suas consequências no mundo prático, ou ainda apoios ou posturas que assumimos diante deles. Agora vamos aos detalhes:

A Décima Terceira Carta

São treze cartas porque a carta central representa o próprio indivíduo no centro da Mandala.  Ela é colocada no final, depois de as doze posições zodiacais já terem sido preenchidas. E representa exatamente como imaginamos uma pessoa no centro do sistema solar na hora do seu nascimento, com todos os planetas girando em seu redor. Essa carta apresentará a direção interior do cliente ao longo do novo ciclo. Digamos que indicará o estado de espírito que ele assumirá durante todo o novo período. Os demais arcanos nas casas precedentes revelarão o desenvolvimento dos outros setores.

O Significado das Casas:


Casa I - (Corresponde a Áries) – Representa a trajetória da pessoa ao longo do novo ciclo, e o tema que funcionará como um pano de fundo que permeará todos os acontecimentos. A característica mais marcante da sua jornada durante todo o período. No plano físico rege a cabeça, e as funções neurológicas.

Casa II - (Corresponde a Touro) – O mundo das finanças, dinheiro, bens... Mas também valores pessoais a serem reforçados ou reavaliados ao longo da nova fase. Rege também os dons e talentos naturais que trazemos de modo potencial em nossa personalidade e que podem, ou devem conforme cada caso, ser mais bem explorados. No plano físico rege garganta, ouvidos e nariz.

Casa III - (Corresponde a Gêmeos) – As comunicação com o meio ambiente, e também a relação com os parentes mais próximos, como irmãos, tios, tias, sobrinhos etc, mas também com os vizinhos. As viagens curtas, os boatos e as notícias que chegam de modo casual se apresentam aqui. No plano físico rege pulmões e os membros superiores, braços e mãos.

Casa IV – (Corresponde a Câncer) – A relação com os pais e a família ancestral, em especial a relação com a mãe. Revela traços  e memórias da infância que ainda podem se fazer presentes. A relação com a nossa casa no aspecto emocional, tanto quanto no aspecto prático de propriedade. No plano físico rege o estômago e as mamas.

Casa V - (Corresponde a Leão) – A criança dentro de nós, ou uma criança real (Filhos). Criatividade, autoexpressão, autoerotismo, prazer, lazer, formas e ou locais de se divertir. Revela também os romances e as aventuras sexuais. No plano físico rege o coração

Casa VI - (Corresponde a Virgem) – Esta casa mostra como a pessoa vive sua rotina no dia a dia, e revela as tendências para a saúde como um todo, bem como sono, alimentação e tudo o que auxilia na prevenção ou no surgimento de sintomas físicos. Rege também o modo com que utilizamos dos dons e talentos naturais (ver casa II), a relação com colaboradores ou empregados, e os animais de estimação. No plano físico rege os intestinos, os cuidados com o corpo e a higiene pessoal.

As constelações astrológicas como aparecem no céu.


Casa VII – (Corresponde a Libra) – Rege o casamento, as sociedades e parcerias e tudo o que se refere ao outro. As situações de litígio aqui se referem à relação com o outro, seja pessoal ou de trabalho. Revela o que se espera das pessoas e o modo do indivíduo de se relacionar, e como ele busca a harmonia nas relações. No plano físico rege os rins e as vias urinárias.

Casa VIII – (Corresponde a Escorpião) – A sexualidade com o outro e as relações de cunho mais profundo ou intenso. Por ser a casa da morte e do renascimento ela nos mostra o que precisamos transformar para evoluir. Revela tanto morte quanto perdas. As sociedades secretas, a magia e o ocultismo como um todo são seus elementos, bem como os sentimentos ocultos sobre coisas ou pessoas são mostrados aqui. Heranças e investimentos financeiros também estão sob sua égide. No plano físico rege os órgãos sexuais, os ovários, os testículos, e os órgãos excretores como ânus e reto.

Casa IX – (Corresponde a Sagitário) – Os sonhos e metas pessoais, os ideais de vida, o modelo de vida que se almeja no futuro. Ideais políticos, as motivações espirituais ou religiosas (se houver). O ensino superior, graduações de nível acadêmico ou espiritual. As viagens longas e os assuntos relacionados ao estrangeiro, ou a temas alienígenas como um todo (como a ufologia). A justiça num sentido mais abrangente. Os litígios aqui se referem a grandes corporações, instituições, ou o próprio Estado. No plano físico rege as pernas e o fígado.

Casa X – (Corresponde a Capricórnio) – A carreira, o trabalho no sentido de uma missão a ser cumprida. A imagem que se passa para o mundo. A posição que se ocupa, ou que nos colocamos, no trabalho e na sociedade. A relação com chefes, líderes e a autoridade. Mostra a relação com a figura do pai. No corpo físico rege os joelhos, a coluna, os ossos, pele e dentes.

Casa XI – (Corresponde a Aquário) – Os amigos e os grupos de afinidade. Locais onde se reúnem muitas pessoas, como festas, agremiações, clubes, associações, sindicatos, fraternidades, etc. Também é a casa dos grandes Mestres, aquelas pessoas que nos estimulam ou nos inspiram a uma grande reforma de vida. No corpo rege tendões e ligamentos, e também o sistema circulatório.

Casa XII – (Corresponde a Peixes) – Esta é a casa do desenvolvimento espiritual, da meditação e das experiências místicas mais profundas. Como também da caridade, do auxilio desinteressado ao próximo, da compaixão e das ações de filantropia. Bem como dos desafios kármicos, dos eventos que nos desafiam a crescer enquanto indivíduos. Sendo assim simboliza os temas de difícil acesso no novo ciclo. Rege também o isolamento, quer seja ele voluntário como em retiros para repouso ou meditação, quer seja ele forçado como em internações hospitalares, ou uma parada simples para tratar da saúde. Experiências que nos forçam a refletir e revisar a vida. No corpo físico rege os pés e o sistema imunológico.

A roda zodiacal com os signos astrológicos,
base para a leitura da Mandala.


Para a interpretação posso sugerir algumas aberturas das casas astrológicas, como um guia que você poderá seguir quando estiver para ler os arcanos desse lançamento, abrindo na sequência dos elementos ou na sequência complementar como se segue:

Por Elementos:

Fogo – Casas I, V e IX – Representam a ação e o direcionamento de vida de quem se consulta no novo ciclo que se inicia. Mostra sua vitalidade e disposição para buscar a mudança, o esclarecimento ou a evolução.

Terra – Casas II, VI e X – Essas casas revelam sua ligação com o mundo prático das realizações e do cuidado com o mundo material, trabalho, finanças, saúde. Bem como o modo com que irá lidar com suas bases e realidade na nova fase.

Ar – Casas III, VII, XI – Simbolizam a comunicação, as relações, e também os projetos para o futuro, bem como os aliados que conquistamos para realização de tais projetos. Mostra também a interferência de terceiros nas realizações pessoais.

Água – IV, VIII e XII – Essas são as casas dos sentimentos mais profundos, e das memórias introjetadas que poderão despontar no novo ciclo para serem mais bem trabalhadas ou definitivamente curadas. Simbolizam tanto a infância quanto vidas passadas.

Por Complementação:




Casas I e VII – O indivíduo e sua relação com os outros, como fica? A ênfase do ano estará mais em si mesmo ou mais na relação ou consideração sobre o outro?

Casas II e VIII – Os valores pessoais passam pela necessidade de mudança e reavaliação interior ? Sobre suas posses e a possibilidade de investir e transformar sua realidade, ocorre?

Casas III e IX – A relação entre o meio ambiente próximo e os ideais e objetivos mais elevados, como se dá? Como se dá a busca pelo saber nesse ano?

Casas IV e X – Como se dará a relação entre a vida pessoal familiar e a vida profissional? De que modo a vida íntima interfere no cumprimento da missão de vida (ou o contrário)?

Casas V e XI – Como a expressão do ser e de suas necessidades afetará suas relações? Onde buscará, ou em quem, espaço para sua essência se expressar?

Casas VI e XII – Como a rotina será afetada por suas limitações e aprendizados de crescimento? De que modo a saúde responderá aos seus desafios kármicos no novo ciclo?

Caso não tenha intimidade ou identificação com a astrologia, abra as cartas na sequência em que foram dispostas na Mandala. Na hora de efetuar a leitura dos arcanos toda a técnica sucumbe diante da revelação intuitiva. Não é preciso de modo algum ser um expert em astrologia para realizar de modo eficiente a interpretação desse sistema. Tem que conhecer muito bem, isto sim, o simbolismo do tarot e adequá-lo ao significado das casas astrológicas que mais lhe pareçam pertinentes.

Leia também: Tarot & Astrologia 

Um comentário: